Meu diário de bordo

sábado, 4 de julho de 2009

Página virada

A mesa tem dois lugares
cada taça tem seu prazer
não há brinde nem porre
um soluço gelado pelo vinho
entala numa lágrima quente


chove estrelas na janela


Dois silêncios se confundem
entre sorrisos desconsertantes
olhares docemente tristes
nas mãos confusas se buscam


chove olhares estrelados


A noite fecha-se em copas
não há espaço para palavras
a dança dos gestos tem pressa
de fazer sua própria história


chove estrelas nos olhos

2 comentários:

Cristiano Melo disse...

Lágrimas como estrelas,
Elementos românticos num poema de delicada tristeza. Cuidar para que a página seja virada, é cuidar das estrelas de dentro.
bjos

Nydia Bonetti disse...

Ai... que lindo Angélica! Doce, suave, como chuvas de estrelas. Felizes os que ainda podem ve-las...
beijos